Foi hoje inaugurado o Parque Ribeirinho do Oriente em Lisboa

Fernando Medina andou a passear pelo novo parque ribeirinho onde deu uma entrevista. O autarca salientou a “devolução que é feita à cidade, aos cidadãos, aos lisboetas” de “um espaço absolutamente extraordinário”, num ano em que Lisboa é Capital Verde da Europa.

“Este era um espaço que estava atravessado por uma zona de circulação automóvel, também por zonas abandonadas, sem utilização nenhuma, e hoje é um parque verde, um parque ribeirinho extraordinário, com mais de quatro hectares, mais de 600 metros de frente de rio”, disse, aos jornalistas.

Esta é a primeira fase do empreendimento. Na segunda, serão mais quatro hectares a partir do Loteamento da Matinha até ao Parque das Nações.

O município prevê que o prolongamento esteja concluído dentro de dois anos.

“Nós esperamos que num prazo de ano e meio, dois anos, poderemos ter a fase seguinte concretizada, isto é, quatro hectares a juntar a estes quatro”, acrescentou.

Junto às antigas docas, as grades que impediam o acesso à antiga zona industrial desapareceram e, além dos espaços ajardinados com espécies autóctones, foram construídas ciclovias, espaços para correr ou circular e parques infantis.

Foram também construídos equipamentos de apoio, como casas de banho e um espaço para bicicletas, duas cafetarias e uma biblioteca ou espaço de troca de livros, em antigos contentores marítimos adaptados.

Isto tudo “implica um conjunto muito grande de transformações”, nomeadamente “retirar automóveis, devolvendo o espaço público às pessoas, mas também devolvendo uma coisa essencial que é a qualidade do ar”, afirmou, referindo-se à anunciada restrição de circulação de carros na Baixa da cidade, “uma zona com indicadores de poluição na Avenida da Liberdade e na Almirante Reis que muitas vezes ultrapassam os limites legais que seriam admissíveis”.

“Todas estas medidas, que vão em linha com o que se está a fazer noutras cidades da Europa e do mundo, enfrentam naturalmente críticas, enfrentam pensamentos diferentes. Nós estamos muito disponíveis para trabalhar com todos para adaptar as soluções, nomeadamente relativamente à Baixa, dentro do quadro geral de redução dos automóveis, redução do trânsito de atravessamento e criação de condições para a fruição da Baixa”, acrescentou.

noticia adaptada e imagem do site 24sapo

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail